Charles Chaplin (1889-1977)

O Garoto



 Escrito por Robert às 08h58
[] [envie esta mensagem]



Le Corbusier (1887-1965)

O tédio reinava lá fora!

(L'ennui Régnati Au Dehors!)

 

Colagem de Le Corbusier - 1959



 Escrito por Robert às 19h30
[] [envie esta mensagem]



Encanto

ENCANTO - presente para os olhos

http://www.javierlopezbarbosa.com/



 Escrito por Robert às 20h38
[] [envie esta mensagem]



Books

Esboço e pintura a óleo do quadro "Books" - 2004



 Escrito por Robert às 18h08
[] [envie esta mensagem]



Jardim

Luz e sombra no jardim



 Escrito por Robert às 17h10
[] [envie esta mensagem]



Pensamento Lateral

 

A expressão “Pensamento Lateral” criada por Edward de Bono representa uma abordagem sistemática ao pensamento criativo, fazendo uso de técnicas que podem ser utilizadas de forma deliberada. As ferramentas desta abordagem são baseadas diretamente no comportamento do cérebro humano: o comportamento das redes neurais.  O Dr. de Bono apresentou o comportamento auto-organizável das redes neurais no seu livro “O Mecanismo da Mente” em 1969. Posteriormente publicou também o livro “I Am Right You Are Wrong”, obtendo o reconhecimento internacional pelo seu trabalho.

 

Simplificando o assunto, o Pensamento Lateral está baseado na ruptura de percepções que o modelo auto-organizável do cérebro desenvolve. Como a chuva que cai e determina os leitos dos rios, fazendo com que as águas provenientes de chuvas futuras sigam os caminhos definidos pela primeira chuva, o sistema auto-organizável do cérebro estabelece uma seqüência de atividades com as primeiras informações que chegam e com o tempo essa seqüência passa a ser uma espécie de caminho preferido.

O cérebro desenvolve com muita facilidade o processo de reconhecimento de padrões. Para qualquer coisa que olharmos, estamos prontos para ver o mundo conforme esses padrões. Assim, estamos prontos para ver apenas aquilo que está preparado para ser visto, conforme percepções já consagradas pela mente. Os padrões estabelecidos pelo cérebro são de utilidade, visto que permitem o reconhecimento de coisas. Estudar um novo idioma, por exemplo, é um processo repetitivo de aprendizagem em que a memória e as percepções podem ser usadas como ferramentas extraordinárias da mente. Você não precisa inventar uma nova gramática porque ela já existe.

O processo automático de reconhecimento de padrões é de grande utilidade prática.  Você pode agir de forma rápida, sem necessidade de desenvolver hipóteses ou de permanecer em estado de dúvida na solução de pequenos problemas. Imagine que você está lendo um romance e surge a palavra “cadeira”. O que pensa você sobre esse objeto tão familiar? Claro, que de imediato, surge a imagem de alguma coisa em madeira ou outro material que tradicionalmente é usado na fabricação de cadeiras. Acrescente agora a forma, a cor, o tamanho e outros atributos. Finalmente, imagino que você tenha pensado numa cadeira de quatro pernas porque é este o modelo mais tradicional. O reconhecimento do padrão de quatro pernas é quase imediato. Você poderia, por provocação, pensar numa cadeira de três pernas, o que não é comum. Uma cadeira de três pernas poderia ter mais estabilidade, por exemplo. Pensar numa cadeira de três pernas seria uma quebra de padrão. Pensar numa cadeira de três pernas seria pensar diferente, seria seguir um caminho diferente do tradicional, seria exercitar a mente para novas percepções.

 

O Pensamento Lateral é o processo de provocar o cérebro para novas percepções. As idéias podem fluir também por caminhos laterais, nunca usados anteriormente. Os inventores sempre tiveram a seguinte pergunta em mente: “Por que não?”. Por que não uma cadeira de três pernas? Por que não uma mesa de três pernas? Se você colocar em prática este exercício de criatividade, vai descobrir coisas interessantes. No mínimo vai perceber que muitas coisas poderiam também ser diferentes. Por que não?

 

Alguns fatos podem surpreender as pessoas pela simplicidade de solução. Às vezes, uma solução inteligente e óbvia, que, não foi percebida pela mente. A surpresa pode ser grande e levar as pessoas a fazer a seguinte pergunta: Como não pensei nisso antes? A boa piada, por exemplo, é uma forte expressão de criatividade. Pense na experiência que você teve ao ouvir uma boa piada. Ao ouvir a piada da pessoa que sabe contar, seu cérebro conduz os pensamentos pelo caminho principal. De repente, seu pensamento é desviado para o final de um caminho lateral, exatamente para um ponto em que você pode ver imediatamente o caminho que poderia ter seguido. O clímax do processo é a ruptura da seqüência tradicional de pensar, o que provoca o humor e o riso. Segundo o Dr. de Bono: “A seqüência de nossa experiência estabeleceu o caminho rotineiro de percepção. Vemos as coisas de uma certa maneira. Esperamos que as coisas sejam feitas de uma determinada maneira.”  Quando a seqüência é rompida, percebemos que estivemos presos por uma maneira de pensar, mas que poderíamos ter pensado de forma diferente.

 

A maioria das pessoas imagina que a análise de dados pode gerar novas idéias. Para o Dr. de Bono, essa crença está totalmente errada. A mente só pode ver aquilo que está preparada para ver. Qualquer análise de dados só capacita o analista a selecionar de seu repertório de antigas idéias, uma que seja aplicável à situação desejada. A geração de novas idéias só é possível a partir de um comportamento criativo, especulativo, curioso, cheio de suposições e hipóteses, na trilha do pensamento lateral. É necessário considerar coisas não pensadas anteriormente, é ter um comportamento rebelde e inovador. É perguntar para você mesmo: por que não?

 

Agora que você sabe um pouco sobre o Pensamento Lateral, por que não usar essa ferramenta de criatividade em suas atividades diárias? Basta procurar caminhos laterais para a realização das coisas. Faça provocações para você mesmo. Pense de forma diferente. Veja outras possibilidades. Crie novos conceitos. Há necessidade de novos conceitos em todas as áreas do conhecimento. As técnicas do Pensamento Lateral você pode encontrar no livro do Dr. de Bono: “Criatividade Levada a Sério” , publicado no Brasil pela Editora Pioneira.



 Escrito por Robert às 16h29
[] [envie esta mensagem]



Janela

Não existe nenhum estado de alma, nenhuma paixão que a Arte não possa exprimir para nós.   

 Oscar Wilde



 Escrito por Robert às 15h43
[] [envie esta mensagem]



Cap. anterior Lindos Brasões Cap. seguinte

 

O Rei de Portugal em 1433, no Grande Armorial Equestre da Ordem do Tosão de Ouro (Biblioteca Nacional de Paris, ms. Ars. 4790, fol.105)
 
O rei de Portugal vestido para um torneio com as armas reais - 1433
  


 Escrito por Robert às 12h11
[] [envie esta mensagem]



Grupos Criativos

A criatividade é um tema essencial para o estudo do comportamento empreendedor. Todavia, existe pouca literatura sobre o assunto. A teoria psicanalítica aborda a questão de uma forma abrangente, sem interesse específico voltado para a interpretação do fenômeno. Freud, por exemplo, escreveu sobre Michelangelo e sobre Leonardo da Vinci, mas não tratou da inspiração criativa destes artistas de Florença. Hoje, a competitividade dos negócios procura na criatividade das pessoas a diferença da inovação e da surpresa. O fator tecnológico em si já não é suficiente. O marketing e a gestão dos negócios tornaram-se aplicações da psicologia. O mundo está muito interessado no estudo do comportamento humano e da criatividade. Os psicólogos estudam as características da personalidade de um indivíduo criativo e fazem comparação com as características de pessoas sem criatividade. Os neurologistas estudam as condições sinápticas da criatividade. Os sociólogos estudam os agrupamentos criativos. Os administradores têm grande interesse em soluções criativas para os projetos. Os professores procuram métodos criativos para novas propostas pedagógicas. Em todos os aspectos, a criatividade é destaque. Alguns livros, escritos por profissionais, alguns sem formação acadêmica em psicologia, que lidam com o comportamento humano, exploram a grande riqueza da mente nesta área, com casos surpreendentes e inéditos de utilização do processo criativo na solução de problemas. Um publicitário, por exemplo, normalmente está procurando uma forma de comunicação adequada, que seja simples, que seja visível e inteligente. A criatividade confunde-se com o óbvio, com aquilo que as pessoas já conhecem mas não vivenciam. As pessoas acomodam as percepções por culpa da rotina e do desinteresse. Recebem a influência da racionalização de tudo, além da insegurança provocada pelo sentimento de não saber fazer alguma coisa que julga ser importante. As escolas tradicionais não incentivam o despertar da criatividade na criança. Em vez disso, exigem que os alunos sejam bons em tudo, o que é impossível. Domenico de Masi em seu livro, Criatividade e Grupos Criativos (Rio de Janeiro: Sextante, 2003), refaz a história humana a partir da criatividade, desmistificando a figura do gênio. Para De Masi, os seres humanos estão sempre criando em grupo, o que torna possível a ponte entre a fantasia e a concretude. A criatividade é a síntese de nossa fantasia e de nossa concretude. Os gênios são pessoas que unem fantasia e concretude na mesma cabeça. Contudo, os gênios são poucos. O processo genial, todavia, pode ser promovido por grupos que unem pessoas concretas e pessoas fantasiosas, formando os gênios coletivos. A idéia é interessante e essencialmente empreendedora. “Como na fábula da cigarra e da formiga, desejava-se que todos fossem formigas, andando em fila e fazendo tudo certinho, mas sem criatividade. A sociedade pós-industrial fez ruir esta idéia. Temos que produzir cigarras.” Domenico de Masi O empreendedorismo é um processo colaborativo que soma capacidades pessoais em clima motivacional e gera resultados mensuráveis. Os negócios estão fundamentados nas pessoas e nos seus relacionamentos. Formar grupos criativos é integrar os valores pessoais e gerar inteligência organizacional. Um bom trabalho pode ser realizado com o gênio coletivo, o grupo criativo. O gênio individual pode até existir, mas é difícil ser encontrado.



 Escrito por Robert às 13h58
[] [envie esta mensagem]



Lugar

Escritório em Campina Grande a 120km do Cabo Branco



 Escrito por Robert às 12h28
[] [envie esta mensagem]



Pintura

Texto copiado de e-mail enviado: “Deixa explicar como utilizei a proporção áurea no quadro. A pintura contém quadrados. O ponto de partida, a gênese, digamos, é o quadrado menor pintado de branco, quase no centro do quadro (a reprodução do quadro não mostra os detalhes). O quadrado abaixo, em tonalidade palha é uma reprodução do mesmo tamanho do quadrado original em branco. Os dois quadrados constituem os dois primeiros termos da Seqüência de Fibonacci, necessários para o estabelecimento da lei de formação dos números sucessores. Cada novo termo é a soma dos dois termos anteriores (a partir do terceiro termo). Portanto, a série é: 1,1,2,3,4,8,13,21... O quadrado marrom, quase no centro do quadro já representa o terceiro termo e foi gerado a partir dos dois quadrados menores. O comprimento do lado do quadrado marrom é igual à soma dos comprimentos dos lados dos dois quadrados anteriores. A regra continua para a geração dos demais quadrados, em movimento horário de rotação. Como foquei o enquadramento na gênese da seqüência, todos os quadrados maiores estão parcialmente na tela. O desenho sugere uma espiral semelhante ao Nautilus Marinho. Todos os elementos são quadrados e a relação entre o novo termo e o termo anterior tende ao número 1,61... (por exemplo, a divisão 21 por 13). Na verdade, cada elemento do quadro em si, por ser quadrado, não está na proporção áurea. O desenho geométrico demonstra apenas a formação dessa proporção, em leitura indireta. As cores foram escolhidas de acordo com a disponibilidade de tintas que tenho, sem qualquer intenção de significado. Procurei harmonizar os tons para expressar um prazer visual. Gostei da experiência. Peço desculpas aos artistas pela minha ousadia.”

 

Proporção Áurea



 Escrito por Robert às 15h52
[] [envie esta mensagem]



Rua Augusta

 

A Baronesa de Bela Vista deixa a rua Augusta com saudade.



 Escrito por Robert às 10h36
[] [envie esta mensagem]




Linhas Retas

Le Corbusier

"A vida da cidade moderna é praticamente toda determinada pela linha reta... A curva é cansativa, perigosa e funesta, possui um verdadeiro efeito paralisante... A estrada curva é um resultado arbitrário, fruto do acaso, do descuido, de uma ação puramente instintiva. A estrada retilínea é uma resposta a uma solicitação, é fruto de uma intervenção precisa, de um ato de vontade, um resultado atingindo com plena consciência. É algo útil e belo."



 Escrito por Robert às 09h19
[] [envie esta mensagem]




Linhas Curvas

Oscar Niemeyer

"Não é o ângulo reto que me atrai e nem mesmo a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas nuvens do céu, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein."



 Escrito por Robert às 09h15
[] [envie esta mensagem]



450 anos

Parabéns São Paulo,

capital do Hemisfério Sul !

 

 

Memorial da Independência



 Escrito por Robert às 15h34
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]


 


Histórico
23/10/2005 a 29/10/2005
15/05/2005 a 21/05/2005
05/12/2004 a 11/12/2004
31/10/2004 a 06/11/2004
22/08/2004 a 28/08/2004
29/02/2004 a 06/03/2004
15/02/2004 a 21/02/2004
08/02/2004 a 14/02/2004
01/02/2004 a 07/02/2004
25/01/2004 a 31/01/2004


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
UOL
UOL SITES




O que é isto?